Repositório Institucional da UFPI

PERCEPÇÃO DOS MÉDICOS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER.

DSpace/Manakin Repository

Show simple item record

dc.contributor.author SILVA, Joaquim José Marques da.
dc.date.accessioned 2020-03-05T14:59:12Z
dc.date.available 2020-03-05T14:59:12Z
dc.date.issued 2020-03-05
dc.identifier.uri http://hdl.handle.net/123456789/2005
dc.description Orientador: Prof° Dr.° Viriato Campelo. Membro Interno: Prof. Dr.Mácio Denis Medeiros Mascarenhas. Membro Externo: Profª. Dra. Luana Kelle Batista Moura (UNINOVAFAPI). Membro Suplente: Profª. Dra. Claudete Ferreira de Souza Monteiro (UFPI). pt_BR
dc.description.abstract RESUMO: Introdução: A violência contra a mulher é um fenômeno complexo que tem raízes na desigualdade de gênero. Apesar dos números crescentes desse tipo de violência, muitas mulheres procuram atendimento nos serviços de saúde para tratar de seus sintomas físicos, mas não relatam aos profissionais como eles foram desencadeados, omitindo as agressões. Objetivo: avaliar a percepção dos médicos da Atenção Primária de Teresina sobre a violência contra a mulher. Método: Trata se de um estudo transversal, desenvolvido com 158 médicos da ESF de Teresina Piauí. A coleta de dados aconteceu de junho a julho de 2019, por meio de questionário baseado em perguntas pré-formuladas e adaptadas do Sistema de Indicadores de Percepção Social do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, composta por 16 frases relacionadas à Tolerância à Violência Contra Mulher. Para verificar a associação entre as variáveis qualitativas foi usado o teste Qui-quadrado de Pearson e o teste Exato de Fisher. Os dados foram tabulados em planilha eletrônica Microsoft Office Excel e analisados no programa IBM Statistical Package for the Social Sciences versão 20.0. O nível de significância adotado foi de α = 0,05. Resultados: Houve um predomínio do sexo feminino (64,6%), faixa etária de 30 a 59 anos (63,3%), casados (69%), católicos (93%), com menos de 5 anos de formado (28,2%), oriundos de universidades públicas (62,7%), sem especialização (53,8%) e atendendo em postos de saúde da zona sul (34,2%) da cidade. Observou-se que a percepção dos médicos sobre a violência perpetrada por parceiro íntimo é influenciada pela categoria de gênero, idade, tempo de formação, especialização e local de atendimento. Os resultados apontam que os médicos do sexo masculino, especialistas, com mais de 25 anos de formação e com mais de 60 anos possuem percepção da violência contra a mulher baseada em uma visão patriarcalista, em que a mesma ainda é tida como fenômeno de cunho íntimo e a mulher possui culpabilização pela violência sexual. Conclusão: os achados contribuem para que os médicos possam refletir sobre a condução de uma prática assistencial à mulher em situação de violência, dando-lhes um acolhimento orientado pelo modelo de saúde social. ABSTRACT: Introduction: Violence against women is a complex phenomenon that has roots in gender inequality. Despite the growing numbers of this type of violence, many women seek care in health services to treat their physical symptoms, but do not report to professionals how they were triggered, omitting the aggressions. Objective: to evaluate the perception of physicians of Teresina Primary Care about violence against women. Method: This is a cross-sectional study, developed with 158 doctors from the ESF of Teresina-Piauí. Data collection took place from June to July 2019 through a questionnaire based on questions pre-formulated and adapted from the System of Social Perception Indicators of the Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) composed of 16 sentences related to Tolerance to Violence Against Women. Pearson's Chi-square test and fisherr exact test were used to verify the association between qualitative variables. The data was tabulated in microsoft office excel spreadsheet and analyzed in the IBM Statistical Package for the Social Sciences version 20.0 program. The significance level adopted was α = 0.05. Results: there was a predominance of females (64.6%), age group from 30 to 59 years (63.3%), married (69%), Catholics (93%), with less than 5 years of graduation (28.2%), from public universities (62.7%), without specialization (53.8%) and serving in health posts in the south (34.2%) of the city. It was observed that physicians' perception of intimate partner violence is influenced by the category of gender, age, training time, specialization and place of care. The results indicate that male physicians, specialists, with more than 25 years of training and over 60 years old have a perception of violence against women based on a patriarchal view, in which it is still regarded as a phenomenon of an intimate nature and the mul her has guilt for sexual violence. Conclusion: the findings contribute to the physicians being able to reflect on the conduct of a care practice for women in situations of violence, giving them a welcome guided by the social health model. pt_BR
dc.language.iso other pt_BR
dc.subject Violência contra a mulher pt_BR
dc.subject Medicina da família pt_BR
dc.subject Pessoal da saúde pt_BR
dc.subject Violence against women pt_BR
dc.subject Primary health care pt_BR
dc.subject Health personnel pt_BR
dc.title PERCEPÇÃO DOS MÉDICOS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. pt_BR
dc.type Preprint pt_BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account